ENSINO DE GRAMÁTICA: FORMAS REMISSIVAS LEXICAIS E FORMAÇÃO DE SENTIDO

Autores

  • Leila Silvana Pontes Instituto Federal do Paraná - IFPR Campus Umuarama
  • Marcelo Nicomedes dos Reis Silva Filho Universidade Federal do Maranhão - UFMA

DOI:

https://doi.org/10.35818/acta.v16i1.1039

Palavras-chave:

Ensino de gramática, Linguística Textual, Formas Remissivas Lexicais.

Resumo

O presente estudo traz para discussão a renitente postura de ensino de gramática presa a regras e a normas que não contribuem para o crescimento linguístico do aluno. A fim de defender um ensino diferente, que privilegie o uso, os sujeitos e a reflexão sobre aspectos linguísticos, este trabalho propõe uma prática de ensino de gramática pautada na Linguística Textual. Para isso, trabalhou coesão textual, especificamente, formas remissivas lexicais. Procurou resposta ao seguinte questionamento: Como o trabalho com gramática, a partir da Linguística Textual, corrobora para o entendimento de que escolhas lexicais mostram que os sujeitos são atuantes, sócio e historicamente determinados? A análise, bibliográfica e qualitativa, buscou, dentre outros autores, fundamentação teórica, principalmente, em Ingedore Koch (2001; 2006; 2009; 2012; 2014). Após levantamento teórico, analisou-se um texto de autor indígena, considerando algumas subclassificações das formas remissivas lexicais:1) Expressões ou Grupos Nominais Definidos; 2) Nominalizações; 3) Expressões Sinônimas ou Quase Sinônimas”; 4) “Hiperônimos ou Indicadores de Classe”. Objetivou-se com isso analisar como o ensino de gramática contribui para o entendimento das escolhas lexicais enquanto ação, identificação e determinação do sujeito.  As análises mostraram que o trabalho com a coesão não precisa ser mecânico e que as expressões, bem como o léxico não estão fadados a um sentido fechado, uma vez que são clivados pela história, contexto e intenções. Revelou que o sujeito, ao fazer uso das formas remissivas lexicais, usa o referente conforme enxerga o seu universo ao interagir sociocognitivamente com ele. As escolhas não são aleatórias, além de serem ações do sujeito revelam quem eles são, identificando-os e determinando-os.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leila Silvana Pontes, Instituto Federal do Paraná - IFPR Campus Umuarama

Doutoranda em Letras na Unioeste, Mestre em Letras pela UEM, Professora do IFPR Campus Umuarama.

Marcelo Nicomedes dos Reis Silva Filho, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Bolsista FAPEMA, Doutor em Letras pelo PPGL Unioeste, Mestre em Educação pelo PPGE UCB, Professor do Curso de Licenciatura em Linguagens e Códigos - UFMA Campus São Bernardo.

Referências

ANTUNES, I. Língua, Texto e Ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BAGNO, M. O preconceito linguístico: O que é e como se faz. 4. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 3. ed. São Paulo: Ed. da Unesp, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação & Secretaria de Educação Média e tecnológica. Parâmetros Curriculares nacionais - ensino médio. Brasília, DF: Ministério da educação, 1999.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3ª. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GERHARDAT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (orgs). Métodos de Pesquisa.1 ed. 2009. Disponível em: https://url.gratis/KrEPr. Acesso: 23 de abr. 2021.

KOCH, I. G. V. As tramas do texto. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2014a.

____. O texto e a construção dos sentidos.10. ed. São Paulo: Contexto 2014b.

_____. Coesão textual. São Paulo: Contexto, 2012.

______. Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. 2ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

____. Desvendando os segredos do texto. 5ª. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

_____ TRAVAGLIA, L. C. A Coerência Textual. 11ª. ed. São Paulo: Contexto, 2001.

MARTELOTTA, M. E. (org.) Manual de Linguística. 1ª. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 3. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MORATO, E. M. O Interacionismo no Campo Linguístico. In. MUSSALIN, Fernanda; BENTES, Anna Cristina. Introdução à linguística – fundamentos epistemológicos (Orgs.). vol. 3. 2ª. ed. São Paulo: Cortez, 2005. p.311-351.

OLIVEIRA, M. R. de. Linguística Textual. In. MATELOTTA, Mário Eduardo (org.) Manual de Linguística. 1ª. ed. São Paulo: Contexto, 2000. p.193-204.

PONTES, L. S. O trabalho com a sintaxe no ensino médio. Disponível em: https://url.gratis/MJNwM. Acesso: 24 de abr. 2021.

Downloads

Publicado

24.07.2021

Como Citar

PONTES, . S.; SILVA FILHO, . N. dos R. ENSINO DE GRAMÁTICA: FORMAS REMISSIVAS LEXICAIS E FORMAÇÃO DE SENTIDO. Acta Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 121–133, 2021. DOI: 10.35818/acta.v16i1.1039. Disponível em: https://periodicos.ifma.edu.br/actatecnologica/article/view/1039. Acesso em: 28 nov. 2021.