PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MORADORES DA BACIA DO RIO ANIL

Autores

  • Ozelito Possidônio de Amarante Jr Campus São Luís - Monte Castelo. Instituto Federal do Maranhão (IFMA). Av. Getúlio Vargas, 04. Monte Castelo. São Luís, MA. 65030-005. [email protected]
  • Jenny Kellma Ferreira Silva

DOI:

https://doi.org/10.35818/acta.v8i1.162

Palavras-chave:

população ribeirinha urbana, comunidade, estratégias ambientais.

Resumo

Para o desenvolvimento de qualquer trabalho de Educação Ambiental, faz-se necessário estudar a Percepção Ambiental do grupo social envolvido. O estudo das representações sociais têm sido empregado para a compreensão da percepção que um dado coletivo tem do ambiente. Neste estudo, constituído de visitas e entrevistas com os moradores da Bacia do Rio Anil, São Luís, Maranhão, observaram-se o comportamento, costumes, festividades e as representações sociais associados ao ambiente. Foram ressaltados o manejo dos resíduos sólidos e a conservação ambiental, no intuito de se relacionar a poluição ambiental observada em outros estudos na área com o comportamento dos moradores. As lendas e costumes locais foram analisados durante as festividades juninas, momento de expressão máxima da cultura local, na busca de elementos que denotem a visão da população com relação às questões ambientais. Os dados foram quantificados e apresentados em gráficos para melhor compreensão da percepção ambiental do grupo  estudado. Os resultados deste trabalho podem fomentar ações futuras de Educação Ambiental voltadas para a sensibilização e compreensão dos moradores para a conservação ambiental e proteção do Rio Anil. Foram propostas atividades a serem desenvolvidas em um programa de Educação Ambiental na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ozelito Possidônio de Amarante Jr, Campus São Luís - Monte Castelo. Instituto Federal do Maranhão (IFMA). Av. Getúlio Vargas, 04. Monte Castelo. São Luís, MA. 65030-005. [email protected]

Departamento de Química e Alimentos.

Jenny Kellma Ferreira Silva

Graduada em Licenciatura em Química. IFMA.

Referências

ADAS, M. Panorama geográfico. São Paulo: Moderna, 2002.

ALCÂNTARA, E. H. & SILVA, G. C. 2003. Conseqüências ambientais da intensa urbanização da Bacia Hidrográfica do Rio Anil – MA. Ins. VI Congresso de Ecologia do Brasil. Fortaleza – CE.

ALENCAR, E.F. Pescadeiras, companheiras e perigosas: a pesca feminina na Ilha de Lençóis. [Dissertação de mestrado em Antropologia Social]. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.

ALMEIDA, R. de C. de. Memórias do Rio do Monjolinho: o processo de urbanização e os impactos sobre os recursos hídricos. [Dissertação de mestrado em Ciências da Engenharia Ambienta]. São Carlos: Universidade de São Paulo, 2001.119p.

ALMEIDA, R. de C. de; KUNIEDA,E.;PRATES,K. V. M. C.;SÉ, J. A. da S., GONZAGA, J. L. Experiências em educação ambiental. In: ESPINDOLA, E. L. G. SILVA, J. S. V.; MARINELLI, C. E.; ABDON, M. M. [Org.]. A bacia hidrográfica do Rio do Monjolinho. São Carlos: RiMa,2000.p.163-175.

AMARANTE Jr., O. P. de; BRITO, N. Lendas do Sebastianismo: percepção ambiental e o imaginário de ilha de Lençóis (Cururupu, MA). [Monografia de conclusão do curso de Especialização em Educação Ambiental]. São Carlos: USP, 2003. 53p.

BARCELOS, V. H. L. Educação ambiental, representações sociais e literatura: um estudo a partir do texto literário de Octávio Paz. In: SANTOS, J. E. dos; SATO, M. [Ed.]. A contribuição da educação ambiental à esperança de Pandora. São Carlos: RiMa.2001. p. 479-496.

BAIRD, Colin. Química ambiental. 2 ed.Porto Alegre: Bookman, 2002.

CALDAS, E. P. A. O novo perfil do matemático. O Imparcial, São Luis, 22 fev 2003.

CHAGAS, Aécio Pereira. Como se faz química: uma reflexão sobre a química e a atividade do químico. 3 ed. rev. Campinas, SP: Unicamp, 2001.

COVRE, G.J. Química: o homem e a natureza. 2 vol. São Paulo: Ática, FTD, 2000.

MÓL, G.de S. & SANTOS, W. L. P. dos. Química e sociedade: a ciência, os materiais e o lixo. 1 mod. São Paulo: Nova Geração, 2003.

MOREIRA, I. Espaço geográfico. São Paulo: Ática, 1999.

MAGNILI, D. & ARAUJO, R. Projeto de ensino de geografia. São Paulo: Moderna, 2002.

PITTE, J. R. Geografia. São Paulo: FTD, 2001.

PEREIRA, M. de J. F. O imaginário fantástico da Ilha dos Lençóis: estudo sobre a construção da identidade albina numa ilha maranhense. [Dissertação de mestrado em Antropologia Social]. Universidade Federal do Pará, Belém, 2000.

RIBEIRO, M. R. C.; RAMOS, F. A. G. Educação ambiental no cotidiano escolar: estudo de caso etnográfico. Cad. Pesq., v. 10, n. 2, p. 9 – 21, 1999.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental. São Paulo, Brasiliense, 2006.

SANTOS, S. A. M. dos; RUFFINO, P. H. P. Proposta do programa de educação ambiental. In: SCHIEL, D.; MASCARENHAS, S.; VALERIAS, N.; SANTOS, S. A. M. dos. p. 18 - 22 O estudo de bacias hidrográficas: uma estratégia para a educação ambiental. São Carlos: RiMa, 2002.

SEARA FILHO, G. O que é Educação Ambiental. In: CASTELLANO, E. G.; CHAUDHRY, F. H. [ed.]. p. 287 – 303. Desenvolvimento sustentado: problemas e estratégias. São Carlos: EESC – USP, 2000.

TANNER, R. T. Educação Ambiental. São Paulo: Sumus, 1978.

ZAMPIERON, S. L. M.; FAGIONATO, S.; RUFFINO, P. H. P. Ambiente, representação social e percepção. In: SCHIEL, D.; MASCARENHAS, S.; VALERIAS, N.; SANTOS, S. A. M. dos. O estudo de bacias hidrográficas: uma estratégia para a Educação ambiental. p. 24 – 27. São Carlos: RiMa, 2002.

Downloads

Publicado

21 de maio de 2013

Como Citar

AMARANTE JR, O. P. de; SILVA, J. K. F. PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MORADORES DA BACIA DO RIO ANIL. Acta Tecnológica, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 47–55, 2013. DOI: 10.35818/acta.v8i1.162. Disponível em: https://periodicos.ifma.edu.br/actatecnologica/article/view/162. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos