SANEAMENTO INADEQUADO EM CAROLINA – MA: ESTUDO DE CASO NO BAIRRO BREJINHO

Autores

  • Leonardo Oliveira da Silva Coelho IFMA Campus Carolina
  • Jaciara Santos da Conceição IFMA Campus Carolina
  • Louize Nascimento IFMA Campus Carolina
  • Rogério Taygra Vasconcelos Fernandes UFERSA
  • Jônnata Fernandes de Oliveira Instituto Federal do Maranhão, campus Carolina

DOI:

https://doi.org/10.35818/acta.v16i1.947

Palavras-chave:

Agua residual. Doenças. Esgoto. Meio ambiente.

Resumo

O esgoto é toda a água residual proveniente de vários usos, como banho, lavagem de louça, roupas, higienização bucal etc. No Brasil, a precarização das instalações de saneamento básico é muito grave: quase metade da população vive em cidades sem redes de tratamento de esgoto. O problema das instalações sanitárias no país causou muitas doenças e danos à população e ao meio ambiente. Neste estudo, analisou-se a precariedade do saneamento no bairro Brejinho, na cidade de Carolina, Maranhão, e seu impacto na vida dos moradores. Para isso, utilizou-se a pesquisa bibliográfica, que teve como intuito trazer um debate sobre o tema em contexto mais amplo, relacionando-o com uma pesquisa realizada com moradores deste bairro, mediante aplicação de questionário, em novembro de 2018. A partir desses materiais obtidos, pôde-se fazer uma interpretação a respeito dos dados coletados. Assim, concluiu-se que a coleta e a destinação correta do esgoto, além da sua vital importância, trazem benefícios para a população envolvida, pois a precariedade de saneamento gera muitos transtornos e pode trazer doenças. Ainda foi possível identificar que a população do bairro Brejinho não aprova as condições de instalação da rede de esgoto pelos impactos que geram. As instalações estão localizadas nas proximidades das residências e do rio Tocantins, onde fortes odores perturbam os moradores. Isto implica em: potenciais riscos à saúde e descaso com a população, por isso, é considerada inadequada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leonardo Oliveira da Silva Coelho, IFMA Campus Carolina

Mestre em Sociologia. Docente do IFMA.

Jaciara Santos da Conceição, IFMA Campus Carolina

Técnica em Meio Ambiente

Louize Nascimento, IFMA Campus Carolina

Mestre em Manejo e Conservação do Solo. Pesquisadora do IFMA.

Rogério Taygra Vasconcelos Fernandes, UFERSA

Doutor em Ciência Animal. Docente da UFERSA.

Jônnata Fernandes de Oliveira, Instituto Federal do Maranhão, campus Carolina

Graduado em Ciências Biológicas e Mestre em Ciências Naturais (Linha de Pesquisa: Diagnóstico e Conservação Ambiental) pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Doutor em Ciência Animal (Linha de Pesquisa: Produção e Conservação Animal no Semiárido) pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA. Pós-Doutorado na área de Ciências Ambientais pela UERN. Atualmente é Professor do Instituto Federal do Maranhão.

Referências

ALVES, L. de O. Tratamento de esgoto. 2014. Disponível em: <https://www.infoescola.com/meio-ambiente/tratamento-de-esgoto/>. Acesso em: 11 dez. 2018.

BAZZARELLA, B. B. 2005. Caracterização e aproveitamento de água cinza para uso não potável em edificações. 165 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, p. 165, 2005.

BRASIL. Lei 11.445 de 05 de janeiro de 2007. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico. Brasília – DF. Governo Federal.

BRASIL. Ministério das Cidades; Berenice de Souza Cordeiro (Coord.) (2009) Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Programa de Modernização do Setor Saneamento (PMSS). Instrumentos das políticas e da gestão dos serviços públicos de saneamento básico. Brasília: Ministério das Cidades.

CARLOS, É. Brasileiros condenados às doenças do esgoto. Rev Rene, v. 17, n. 3, p. 309-309, 2016. DOI: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2016000300001

CIDADE-BRASIL. Município de Carolina. Disponível em: <https://www.cidade-brasil.com.br/municipio-carolina.html>. Acesso em: 03 dez. 2018

GONÇALVES, A. L. K. Impactos causados pelo esgoto a céu aberto: estudo de caso da Avenida XXV de julho de Pelotas–RS. Revista Querubim, v. 1, p. 24-30, 2015.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Carolina. 2017. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ma/carolina/panorama>. Acesso em: 02 dez. 2018

KRONEMBERGER, D. M. P.; PEREIRA, R. S.; FREITAS, E. A. V.; SCARCELLO, J. A.; CLEVELARIO JUNIOR, J. Saneamento e Meio Ambiente. Atlas de Saneamento 2011. Rio de Janeiro: IBGE, 2011, v. 1, p. 45-46.

MUNIZ, G. P. S. Ecoturismo em Carolina - MA: que prática é essa? Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Natureza e Dinâmica do Espaço. Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAROLINA/MA. Recebimento das Estações de Tratamento de Esgoto de Carolina. 2019. Disponível em: https://carolina.ma.gov.br/noticias/noticias/exibe/0016841-recebimento-das-estacoes-de-tratamento-de-esgoto-de-carolina. Acesso em 27.01.2021.

PAINEL SANEAMENTO BRASIL. UF. Maranhão. Disponível em: <https://www.painelsaneamento.org.br/localidade/index?id=21. Acesso em: 29.07.2020.

PORTAL SANEAMENTO BÁSICO. Estudo da USCS aponta que esgoto deve ser usado para rastrear covid-19. 2020. Disponível em: <https://www.saneamentobasico.com.br/estudo-uscs-esgoto-covid-19/>. Acesso em: 29 jul. 2020.

PORTAL SANEAMENTO BÁSICO. Falta de saneamento básico no Brasil é grande ameaça à saúde pública. 2016. Disponível em: <https://www.saneamentobasico.com.br/falta-de-saneamento-ameaca-saude-publica/>. Acesso em: 18 jun. 2020.

SOUZA, C. M. N. Participação dos cidadãos e saneamento básico: panorama da legislação nacional. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 63, p. 141-158, 2016. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i63p141-158

Downloads

Publicado

24.07.2021

Como Citar

COELHO, . O. da S.; CONCEIÇÃO, . S. da; NASCIMENTO, .; FERNANDES, . T. V.; OLIVEIRA, . F. de. SANEAMENTO INADEQUADO EM CAROLINA – MA: ESTUDO DE CASO NO BAIRRO BREJINHO. Acta Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 61–71, 2021. DOI: 10.35818/acta.v16i1.947. Disponível em: https://periodicos.ifma.edu.br/actatecnologica/article/view/947. Acesso em: 28 nov. 2021.